A busca incessante por uma denúncia que derrube o presidente Jair Bolsonaro



Uma reportagem publicada no jornal Folha de S.Paulo em janeiro de 2018, no início de um ano eleitoral sem sombra de pandemia, ajuda a explicar por que o hoje presidente Jair Bolsonaro enfrenta a maior oposição já declarada pela imprensa brasileira — e por seus rivais políticos que surfam em manchetes — desde a redemocratização do país. O texto apresentava números de uma pesquisa Datafolha num cenário em que o ex-presidente Lula (embora condenado em segunda instância e, portanto, impossibilitado de ir às urnas) derrotaria Bolsonaro em qualquer circunstância. Pior: o candidato que seria eleito nove meses depois com 58 milhões de votos havia “parado de crescer”.

Naquela época, os meios de comunicação tradicionais já caçavam incessantemente informações capazes de desidratar a arrancada eleitoral em curso. Se é fato que revirar o passado de um político prestes a governar uma nação é legítimo e dever da imprensa, também é preciso registrar que começava ali uma artilharia cuja mira só tinha um lado — afinal, em janeiro daquele ano, a Lava Jato ainda levaria gente graúda para a cadeia e Lula nem sequer havia sido preso.

No dia seguinte ao do primeiro turno da eleição, o tom dos editoriais subiu. Para a Folha de S.Paulo, o candidato que recebera mais votos era um político com “pregação tosca, de tons frequentemente autoritários, e um programa ultraliberal encampado na última hora”. Já O Estado de S. Paulo escreveu que “mesmo o mais bem informado eleitor teria dificuldade em saber quais eram suas propostas para tirar o país da rota do iminente desastre fiscal porque, nas poucas vezes em que foi questionado sobre o assunto durante a campanha, em entrevistas ou debates, o ex-capitão gaguejou, apelou para frases feitas, com pouco sentido, e, por fim, acabou admitindo que é absolutamente ignorante em economia”. Na mesma linha seguiu o Grupo Globo.

Tudo isso ganhou escala muito maior depois da posse. Até a “rachadinha” dos filhos de Bolsonaro — que não deve ser minimizada — recebeu uma calibragem diferente quando comparada com a mesma prática feita pelo PT. Jornalistas, artistas e famosos que nunca tiveram coragem de escrever com todas as letras que Lula é um criminoso chamam sem pudor Bolsonaro de “genocida” — um colunista desejou publicamente a sua morte em jornal, outro desconfiou da facada.

Parte da resistência a Bolsonaro se explica pela militância ideológica de esquerda presente nas redações e que nunca aceitou sua vitória nas urnas — daí a hashtag #EleNão e a chegada da abjeta “cultura do cancelamento” ao meio político. Para saber mais sobre como as universidades doutrinam a juventude, vale a leitura do livro Lavagem Cerebral, de Ben Shapiro, comentarista político conservador nos Estados Unidos. A realidade nas salas de aula lá não é diferente do que acontece aqui.

A outra metade da responsabilidade pelo desgaste com a imprensa se deve ao estilo reativo do presidente. Não foram poucas as vezes em que ele poderia, simplesmente, ter evitado o confronto com um microfone que considera provocador — porque Bolsonaro gosta de uma encrenca.

Picadeiro da CPI

Montado desde o final de abril no Senado, o grupo de detetives da covid, comandado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL), também será lembrado por algumas proezas na política brasileira: começou como a CPI da cloroquina, depois da ivermectina, em seguida da Copa América. Concluiu que o governo patrocinou um extermínio em massa pela falta de vacinas, descobriu um gabinete paralelo do Ministério da Saúde e diz ter batido à porta de um inédito escândalo de corrupção no qual não se provou ainda o desembolso de um centavo dos cofres públicos.

A história começa com uma declaração do desconhecido deputado Luis Miranda (DEM-DF). Ele disse que procurou o presidente em março para relatar supostos problemas no contrato de compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin, uma bolada de R$ 1,6 bilhão. Mas como Miranda soube das supostas irregularidades e quais seriam elas? O parlamentar afirmou em entrevista que seu irmão, Luis Ricardo, funcionário do Ministério da Saúde, teria sido pressionado a pagar pelo imunizante.

No dia 25 de junho, os irmãos Miranda foram chamados pela CPI. Os depoimentos começaram a ser anunciados como o “Dia D” de Bolsonaro no Palácio do Planalto, porque a dupla faria uma divulgação bombástica e irrefutável. Voz mais estridente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) buscou os repórteres em Brasília para anunciar que o Brasil estava diante do “Covaxgate”, numa alusão ao escândalo Watergate, que derrubou o presidente norte-americano Richard Nixon na década de 1970.

A “bomba” foi uma afirmação de que Bolsonaro teria dito que houve “rolo de um deputado” na negociação para adquirir as vacinas. Segundo Luis Miranda, o parlamentar seria seu colega Ricardo Barros (PP-PR), o líder do governo na Casa — ele nega a acusação e pede para ser ouvido, mas a CPI não quer. Qual seria o rolo? Barros teria apresentado uma emenda no processo de votação da Medida Provisória nº 1.026/2021, destinada a acelerar a liberação de vacinas já autorizadas na Índia. No dia seguinte ao da revelação, contudo, uma informação deixou jornalistas e oposição em parafuso: os também deputados Orlando Silva (PCdoB-SP) e Renildo Calheiros (PCdoB-PE), irmão de Renan, apresentaram emendas idênticas.

Quando o noticiário político se degenera no policial, uma equação precisa ser inevitavelmente respondida: quem roubou, quanto e onde foi parar o dinheiro? Pelo que se sabe até agora, os recursos nunca chegaram ao bolso de ninguém porque não foram pagos.

Também os imunizantes da farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, os mais usados hoje no Brasil, teriam sido alvo de um roubo que por pouco não aconteceu. Aí surgiram os personagens que só aparecem num escândalo à brasileira — um ex-policial que virou atravessador, um reverendo lobista, a ex-cunhada magoada e a figura do deputado de quinta categoria que sonhava virar um Roberto Jefferson. Com um enredo desses, é claro que a semana não poderia terminar bem, e o senador Omar Aziz (PSD), cujo prontuário policial no Amazonas assusta, deu voz de prisão a um funcionário do Ministério da Saúde e resolveu provocar as Forças Armadas.

O fato é que até agora o que se viu na CPI foi um grupo de picaretas perdendo tempo com outros picaretas.

No início da década de 1990, quando a revista Veja revelou que o presidente Fernando Collor de Mello participava de um esquema de corrupção com o ex-tesoureiro da campanha PC Farias, uma CPI esbarrou na compra de um Fiat Elba pela primeira-dama, Rosane. O dinheiro teria saído de uma conta fantasma de PC. Foi o estopim para o impeachment de Collor. A Elba de Bolsonaro não apareceu.

Fonte:

“Procura-se um Fiat Elba”, por Sílvio Navarro


NOVIDADE!Participe do nosso CANAL no TELEGRAM ou do nosso GRUPO de Whatsapp e receba notícias em primeira mão!

Notícias Recentes:


Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.