Do­nald Trump diz que “Vi­o­laram fla­gran­te­mente a Cons­ti­tuição dos EUA”

O pre­si­dente dos Es­tados Unidos e can­di­dato à re­e­leição pelo Par­tido Re­pu­bli­cano, Do­nald Trump, di­vulgou um co­mu­ni­cado na tarde desta sexta-feira (06 de no­vembro), de au­toria do ad­vo­gado Ken Starr, no qual ele le­vanta sus­peitas sobre o pro­cesso elei­toral no es­tado da Pen­sil­vânia, go­ver­nado por Tom Wolf, do Par­tido De­mo­crata, de Joe Biden. A nota afirma que “o go­ver­nador, Wolf, e a Su­prema Corte do Es­tado, vi­o­laram fla­gran­te­mente a Cons­ti­tuição dos Es­tados Unidos” ao ne­garem a ação ju­di­cial para in­ter­romper a con­tagem dos votos no con­dado da Fi­la­délfia, a maior ci­dade da Pen­sil­vânia.

“O poder de de­finir essas re­gras e re­gu­la­mentos está in­ves­tido na Le­gis­lação. Eles sim­ples­mente ig­no­raram isso, ig­no­raram a Cons­ti­tuição”, con­ti­nuou. Ainda de acordo com o texto, o ad­vo­gado diz es­perar que a si­tu­ação seja re­ver­tida pela Su­prema Corte dos EUA. “A Pen­sil­vânia se com­portou de uma ma­neira hor­rível e sem lei, e es­pero que isso seja cor­ri­gido na Su­prema Corte dos Es­tados Unidos. Além disso, essas vo­ta­ções tar­dias após o dia das elei­ções são ile­gais, exa­ta­mente o que o pre­si­dente tem dito”. As in­for­ma­ções são do portal Co­nexão Po­lí­tica.

Leia o texto na ín­tegra:

Isso é o que sa­bemos. Temos que voltar ao nível es­ta­dual e como esse pân­tano surgiu em pri­meira ins­tância. O go­ver­nador, Wolf, e a Su­prema Corte do Es­tado, vi­o­laram fla­gran­te­mente a Cons­ti­tuição dos Es­tados Unidos. O poder de de­finir essas re­gras e re­gu­la­mentos está in­ves­tido na Le­gi­lação. Eles sim­ples­mente ig­no­raram isso, ig­no­raram a Cons­ti­tuição. Agora nós tra­zemos isso para as casas de con­tagem e, es­can­da­lo­sa­mente, os ob­ser­va­dores, que são as sen­ti­nelas da in­te­gri­dade e trans­pa­rência, foram ex­cluídos. A Pen­sil­vânia se com­portou de uma ma­neira hor­rível e sem lei, e es­pero que isso seja cor­ri­gido na Su­prema Corte dos Es­tados Unidos. Além disso, essas vo­ta­ções tar­dias após o dia das elei­ções são ile­gais, exa­ta­mente o que o pre­si­dente tem dito. O Su­premo Tri­bunal, em cir­cuns­tân­cias ex­tra­or­di­ná­rias, tem sido capaz de tomar de­ci­sões em questão de dias.” Ken Starr, ex-Con­se­lheiro In­de­pen­dente.

 

SIGA O IMPRENSA BRASIL NO TWITTER: CLIQUE AQUI 

Avalie post