ELEIÇÃO EUA: Análise aponta 10 mil votos de pes­soas con­fir­madas como fa­le­cidas em Michigan

Se­gundo o site The Epoc Times, aná­lises apontam dados das elei­ções dos EUA em 2020 onde cerca de 9.500 elei­tores con­fir­mados como mortos por meio do Índice de Mor­ta­li­dade da Pre­vi­dência So­cial ame­ri­cana (SSDI) são mar­cados no banco de dados de vo­tação como votos efe­tivos. Ou­tros quase 2.000 têm 100 anos ou mais e não estão lis­tados como cen­te­ná­rios vivos co­nhe­cidos.

Ame­ri­canos com mais de 110 anos são ex­tre­ma­mente raros. Sabe-se que apenas al­guns desses idosos vivem em Mi­chigan. De acordo com o Censo de 2010, havia 1.729 cen­te­ná­rios em Mi­chigan.

Tracy Wimmer, porta-voz do Se­cre­tário de Es­tado de Mi­chigan, in­dicou que mesmo se al­guém ten­tasse votar em nome de uma pessoa fa­le­cida, a vo­tação seria re­jei­tada.

“Em­bora eu es­teja aberto à ideia de que al­guns deles foram re­jei­tados, não estou aberto a qual­quer re­jeição total de todos eles foram re­jei­tados” , disse Baris em um tweet.

Os dados sobre quantas cé­dulas foram re­jei­tadas ainda não estão dis­po­ní­veis, disse Tracy Wimmer, porta-voz do Se­cre­tário de Es­tado de Mi­chigan.

Ela disse que “uma cé­dula re­ce­bida por um eleitor vivo pode ser re­gis­trada de uma forma que dá a im­pressão de que o eleitor está morto”.

Isso se dá prin­ci­pal­mente em oca­siões onde existem nomes pa­re­cidos ou idên­ticos.

O can­di­dato de­mo­crata Joe Biden li­dera em Mi­chigan por margem menor de 150.000 votos. Em vir­tude disso a cam­panha de Trump abriu um pro­cesso no es­tado para que a con­tagem de votos seja in­ter­rom­pida até que os ob­ser­va­dores re­pu­bli­canos te­nham acesso ade­quado. Uma le­gis­la­tura de Mi­chigan li­de­rada pelo Par­tido Re­pu­bli­cano está in­ves­ti­gando ale­ga­ções de ir­re­gu­la­ri­dades elei­to­rais no es­tado.

Em uma ação ju­di­cial de 9 de no­vembro, um ob­ser­vador da pes­quisa de De­troit alegou que mi­lhares de cé­dulas de pes­soas que não es­tavam de­vi­da­mente re­gis­tradas para votar foram adi­ci­o­nadas à con­tagem de votos.

Se­gundo os dados elei­to­rais os ope­ra­dores de vo­tação es­tavam adi­ci­o­nando nomes e en­de­reços ao livro de vo­tação com datas de nas­ci­mento in­ven­tadas, como por exemplo, 1º de ja­neiro de 1900, disse o ob­ser­vador em uma de­cla­ração ju­ra­men­tada.

“Se eles fi­zeram isso no dia da eleição em Mi­chigan, pro­va­vel­mente não sa­be­remos até de­zembro”, disse ele. “Se for ver­dade, então eles in­fe­liz­mente se safam a curto prazo.”

Com ações ju­di­ciais em es­tados onde a van­tagem de Biden é aper­tada, a cam­panha de Trump está de­nun­ci­ando a con­tagem fa­vo­rável aos de­mo­cratas de cé­dulas in­vá­lidas para o pro­cesso elei­toral. Se­gundo a equipe do atual pre­si­dente dos EUA, cé­dulas vá­lidas foram des­car­tadas quando os votos eram para re­pu­bli­canos e ob­ser­va­dores de cé­dulas do par­tido foram im­pe­didos de pre­sen­ciar o pro­cesso de con­tagem de votos de ma­neira clara e ob­je­tiva.

Avalie post