Mesmo com o “Fique em Casa que a economia vem depois” micro e pequenas empresas puxam a criação de empregos

Mais de 1,33 milhão de novos postos de trabalho formais foram criados no Brasil do inicio do ano até o mês de junho, mais de 960 mil, que é o equivalente a 72,1% do total são das micro e pequenas empresas (MPE).

O levantamento feito pelo SEBRAE com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério da Economia. Mesmo após o “Fique em Casa que a economia a gente vê depois”, o brasileiro foi à luta e isso mostra que as micro e pequenas empresas está à frente das médias e grandes empresas, que abriram 279,1 mil vagas nos seis primeiros meses deste ano.

No mês de junho, os negócios de menor porte foram responsáveis pela abertura de 63,6% das vagas formais no mês, com 176,8 mil de um total de 277,9 mil postos de trabalho criados no mês de julho. Já as médias e grandes empresas abriram 73,9 mil vagas, que equivale em porcentagem em 26,6% do total.

O crescimento dos pequenos negócios é o setor dos serviços que gerou mais de 530 mil vagas. Só no mês de junho, o segmento abriu mais de 78 mil postos.

Em relação a construção que aparece na segunda colocação com mais de 168 mil postos de trabalho, e na terceira colocação aparece a indústria da informação com 126,3 mil empregos gerados.

No comércio, as micro e pequenas empresas (MPE) ultrapassam os 90 mil postos de trabalho de janeiro a junho. As médias e grandes empresas, em contrapartida, fecharam o saldo de 42,8 mil vagas no período.

(imagens: Terra empresas)

LEIA MAIS:

EUA reafirma o compromisso de desnuclearizar Coreia do Norte

Bolsonaro não ia, mas agora vai participar de entrevista no JN

Moscou tem que retirar tropas antes de qualquer diálogo, afirma Ucrânia

TSE libera acesso de militares a código-fonte de urnas eletrônicas

Disputa fica acirrada no segundo lugar para governo de SP, aponta pesquisa

Avalie post