Projeto contra ‘saidinha’ avança, mas Barroso quer “pequenos traficantes” livres

Na última quarta-feira a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que acaba com as saídas temporárias de presos. Porém, dentro da estrutura de poder em Brasília há quem olhe a questão de segurança pública com outra perspectiva.

Durante uma live na internet em junho de 2021, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou ser contra prisão de “pequenos traficantes”, em qualquer circunstância.

Estas declarações foram dadas em um encontro virtual promovido pelo Prerrogativas, grupo ativista que reúne advogados do Brasil, conhecido pela militância em pautas de esquerda e pelo apoio ao ex presidente Lula (PT). Barroso tratou do tema em conversa com jornalistas e com o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, um dos rostos mais famosos da organização.

“Eu defendo desde que entrei no tribunal uma política de não prisão de pequenos traficantes. E essa é a jurisprudência que começa a prevalecer, nem prisão preventiva e, depois de condenado, regime aberto”, afirmou Barroso na oportunidade.

“Essa é a pior política que se pratica no país. A política de prender meninos de periferia, geralmente primários, às vezes com bom antecedente, com cem gramas, meio quilo ou um quilo de maconha, ou tantas gramas de cocaína, joga ele na prisão, destrói a vida dele, sai pior do que entrou, o tráfico o substitui no dia seguinte, não serve para nada.”, completou.

Projeto contra as “saidinhas”

O projeto de lei (PL) 6579/13, que acaba com as saídas temporárias de presos, avançou na Câmara na última quarta-feira 3. Foram 311 votos a favor e 98 contra.  Agora, o texto, de autoria da ex-senadora Ana Amélia (PSD-RS), retorna ao Senado Federal, que vai analisar as alterações dos deputados.

“O Estado vai monitorar esses criminosos”, afirmou o deputado federal Capitão Derrite (PL-SP), relator do projeto da ‘saidinha’.

A saída temporária é concedida pela Justiça brasileira para visita à família durante feriados, frequência a cursos e participação em atividades. Todas essas regras são revogadas pelo texto aprovado pelos deputados. O relator alterou a proposta inicial para a abolir completamente.

Atualmente, a lei permite esse benefício ao preso que está em regime semiaberto, ou seja, que já cumpriu o mínimo de 1/6 da pena. Caso o criminoso seja réu reincidente, ele precisa cumprir 1/4. O detento também precisa ter um comportamento adequado.

(Imagem: Folha rondoniense)

LEIA MAIS:

Anitta diverge do PT e apoia Molon para o Senado no Rio de Janeiro

Presidente sanciona lei que libera consignado para beneficiários do Auxílio Brasil

Moscou tem que retirar tropas antes de qualquer diálogo, afirma Ucrânia

Deputados aprovam MP que simplifica concessão de benefícios do INSS

Disputa fica acirrada no segundo lugar para governo de SP, aponta pesquisa

1/5 - (1 vote)