Renuncia o diretor do Departamento de Crimes Eleitorais dos EUA. Ele não quer investigar nada.

O diretor do Departamento de Crimes Eleitorais do Departamento de Justiça dos EUA, Richard Pilger, pediu demissão nesta segunda-feira. Ele comunicou a decisão horas depois do procurador-geral, William Barr, autorizar investigações sobre supostas “irregularidades na apuração de votos” na eleição norte-americana. Em e-mail enviados a colegas e obtido pelo New York Times, Pilger explicou que Barr estava emitindo “uma nova diretriz” ao “revogar a Política de Não Interferência que existe há 40 anos para investigações de fraude eleitoral no período de eleições”.

Por regra do Departamento de Justiça, investigações relacionadas à eleição só podem ser abertas depois que o resultado seja certificado. Esse não é o caso do pleito de 2020, uma vez que alguns Estados passam por processo de recontagem dos votos. Barr afirmou que a diretiva nunca foi “uma regra rígida”. Argumentou que, em alguns casos, esperar o resultado da eleição para abrir uma investigação pode “resultar em situações em que a má conduta eleitoral não pode ser corrigida de forma realista”.Por isso, autorizou que procuradores federais investiguem denúncias de fraudes eleitorais. Advertiu, no entanto, que “alegações ilusórias, especulativas, fantasiosas ou rebuscadas não devem ser uma base para iniciar investigações federais“.

Projeções apontaram o democrata Joe Biden como o vencedor da eleição. Donald Trump não aceitou o a derrota e disse, sem apresentar evidências, que houve fraude eleitoral. O republicano contestou os resultados de alguns locais onde Biden venceu, como Geórgia, Wisconsin, Nevada e Pensilvânia.

Avalie post